sábado, 17 de Novembro de 2012

Fizemos piqueniques


durante algum tempo pensei que a minha cabeça tinha parado. afinal eram só os residuos atómicos da explosão em casa da vizinha. os prédios da rua queixavam-se do mesmo. de cefaleias intensas e enjoos constantes. mas eu achava que a responsabilidade era dos monos que empestavam as caleiras.

respirar passou a ser uma prioridade entre os sons das sirenes e as graves consequências da privação do sono que nos esburaca a mente e nos dá um ar macambúzio. vagueámos pelas estradas à procura de soluções. descansámos nas bermas, debaixo de árvores, ou escondidos pelas espigas de trigo por cortar.